Pastoreio #27

Uma Igreja capacitada pelo Espírito Santo

Qual construtor inicia uma construção sem fornecer a planta para que os operários façam de acordo com o projetado? Qual o dono de uma obra não forneceria as ferramentas e materiais adequados para que a obra fosse realizada?

Desse modo Deus elaborou um projeto para resgate da humanidade, enviou o seu Filho Jesus Cristo para possibilitar esse resgate, após Jesus subir para o Pai o Espírito Santo foi enviado a terra para capacitar os crentes, interceder e consolar afim de que a obra seja realizada.

O Espírito Santo sem dúvidas tem um papel fundamental na capacitação, condução e consolo dos crentes, dos quatro evangelistas Lucas é o que mais enfatiza o Espírito Santo:

Lucas 3. 21 E aconteceu que, como todo o povo se batizava, sendo batizado também Jesus, orando ele, o céu se abriu; 22 E o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo.

Lucas 4.01 E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto;

Lucas 4. 14 Então, pela virtude do Espírito, voltou Jesus para a Galiléia, e a sua fama correu por todas as terras em derredor.

Lucas 4.18 O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados de coração.

Atos 1.05 Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias. 08 Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra.

Atos 2.33 De sorte que, exaltado pela destra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis.

Os discípulos de Jesus precisavam de ferramentas divinas, dadas pelo Espírito Santo, equipando as suas aptidões naturais. A missão que estavam recebendo do Mestre era especial, pois envolvia o plano de Deus para resgatar o ser humano livrando-os da condenação do inferno.

…fomos credenciados e capacitados

A obra de Deus não é realizada segundo ideias e propósitos humanos, há pré-requisitos para serem observados e uma forma, um jeito que o próprio Senhor instrui para que seja feita por aqueles que são seus discípulos. O credenciamento dos trabalhadores ocorre quando estes primeiros confessam a Jesus como seu Senhor para então serem capacitados, cheios pelo Espírito Santo.

Crendo e confessando que Jesus era o Filho de Deus, eles eram confirmados como os “do Caminho”, os discípulos de Jesus e passavam a anunciar o evangelho do Senhor.

João 3.18  Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.

Pregando sem fazer acepção de pessoas, ou seja, anunciando as boas novas para toda a criatura. Pedro foi levado para anunciar as boas novas a Cornélio e aos demais gentios que estavam em sua casa.

Atos 10.14 Mas Pedro disse: De modo nenhum, Senhor, porque nunca comi coisa alguma comum e imunda.15 E segunda vez lhe disse a voz: Não faças tu comum ao que Deus purificou.

Atos 10.34 E, abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas; 35 Mas que lhe é agradável aquele que, em qualquer nação, o teme e faz o que é justo.

Usufruindo do sobrenatural para realizarem a obra de Deus, os discípulos foram cheios do Espírito Santo e proclamaram em outras línguas as grandezas de Deus em cumprimento da profecia de Joel.

Atos 2.04 E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. 11 Cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus.

Atos 2

01 E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos concordemente no mesmo lugar;

02 E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados.

03 E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.

04 E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.

05 E em Jerusalém estavam habitando judeus, homens religiosos, de todas as nações que estão debaixo do céu.

06 E, quando aquele som ocorreu, ajuntou-se uma multidão, e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua.

07 E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! não são galileus todos esses homens que estão falando?

08 Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos?

09 Partos e medos, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Asia,

10 E Frígia e Panfília, Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos,

11 Cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus.   (Tradução – Almeida Corrigida e Revisada Fiel – ACRF)

…começaram a falar em outras línguas

Cabe aqui uma investigação mais detalhada sobre as línguas

De modo sobrenatural, após a descida do Espírito santo sobre os que estavam  na casa, eles passaram a falar em línguas que foram ouvidas e entendidas por  pessoas de diversas nacionalidades, cada um entendia em sua língua materna (v.11).

Em Atos 2.11 refere-se a uma língua ou dialeto específico falados por um povo específico.

Fonte : Bíblia de Estudo Palavras Chave – Hebraico –Grego, Ed. CPAD (p..2128).

“A discussão sobre a natureza da glossolalia não deve desviar nossa atenção do entendimento de Lucas sobre o seu significado no dia de Pentecoste. Ela simbolizou uma nova união no Espírito, transcendendo barreiras raciais, nacionais e linguísticas.”    Fonte: A Mensagem de Atos – John Stott – Ed. ABU, (p. 71).

Segundo alguns estudiosos da palavra de Deus e o Dicionário do Novo Testamento da – Bíblia de Estudo Palavras Chave – Hebraico –Grego, Ed. CPAD (p.2128), ocorrem expressões e aproximações diferentes acerca das línguas mencionadas nos textos que veremos à seguir:

Em Atos 2.4, verifica-se a expressão; glóssais heterais, ou seja, diferentes línguas/outras línguas, a mesma expressão é confirmada no Novo Testamento Interlinear – Grego –Português da  – Sociedade Bíbica do Brasil (p. 440).

Atos 2.04 E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.

Em Marcos 16.17, verifica-se a expressão; glóssais Kainais, ou seja, novas línguas, a mesma expressão é confirmada no Novo Testamento Interlinear – Grego –Português   – Sociedade Bíbica do Brasil (p. 205).

Marcos 16.17 E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas;

Em Atos 10.46 , 19.06 e 1 Coríntios 12.30, verifica-se a expressão; glóssais lalein, ou seja, falar em línguas, a mesma expressão é confirmada no Novo Testamento Interlinear – Grego –Português da  – Sociedade Bíbica do Brasil (p. 483,519,649).

Atos 10.46 Porque os ouviam falar línguas, e magnificar a Deus.

Atos 19.06 E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas, e profetizavam.

1 Coríntios 12.30 Têm todos o dom de curar? falam todos diversas línguas? interpretam todos?

(Tradução – Almeida Corrigida e Revisada Fiel – ACRF)

Em 1 Coríntios 14.14, verifica-se a expressão; proseuchesthai glóssé, ou seja, orar em uma língua, a mesma expressão é confirmada no Novo Testamento Interlinear – Grego –Português da  – Sociedade Bíbica do Brasil (p. 652).

1 Coríntios 14.14 Porque, se eu orar em língua desconhecida, o meu espírito ora bem, mas o meu entendimento fica sem fruto.

(Tradução – Almeida Corrigida e Revisada Fiel – ACRF)

Em 1 Coríntios 14.19, verifica-se a expressão, logoi en glóssé, ou seja, discurso em uma língua/ dizer milhares de palavras em línguas, a mesma expressão é confirmada no Novo Testamento Interlinear – Grego –Português da  – Sociedade Bíbica do Brasil (p. 652).

1 Coríntios 14.19 Todavia eu antes quero falar na igreja cinco palavras na minha própria inteligência, para que possa também instruir os outros, do que dez mil palavras em língua desconhecida.

(Tradução – Almeida Corrigida e Revisada Fiel – ACRF)

Em 1 Coríntios 12.10, 13.08 e 14.22,26, verifica-se a expressão, glóssai, ou seja, línguas, a mesma expressão é confirmada no Novo Testamento Interlinear – Grego –Português da  – Sociedade Bíbica do Brasil (p. 646,650,653).

1 Coríntios 12.10 E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas.

1 Coríntios 13.08 O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;

1 Coríntios 14.22 De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis. 26 Que fareis pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. (Tradução – Almeida Corrigida e Revisada Fiel – ACRF)

…exercitando a mente para melhor servir

Se a língua estranha é ou não o sinal do batismo com o Espírito Santo tem sido motivo de discordância entre as igrejas Históricas e Pentecostais, e até dentro do próprio segmento Pentecostal há divergência sobre esse assunto.

Alguns questionamentos são feitos como por exemplo: Se as línguas são a evidência do batismo com o Espírito Santo porque em 1 Co.12.10 as línguas aparecem como um dos dons entre outros dons?

O que dizer sobre os crentes que possuem outros dons relatados em 1 Co. 12, mas não falam em línguas, eles são batizados com o Espírito Santo ou não?

Um dom pode ser dado ou não, de acordo com a vontade do próprio Espírito Santo para cada crente (1 Co. 12.07).

Já que todos os crentes batizados com o Espírito Santo obrigatoriamente deveriam falar em línguas, qual das línguas é a evidência desse batismo? A relatada em Atos 2 ou a relata em 1 Coríntios 12 ? Ou seriam as mesmas línguas ? Ou as línguas em Atos diferem-se das línguas em 1 Coríntios 12?

…alguns entendimentos sobre esse assunto:

Penso que vale a pena compartilhar com os meus iguais em Cristo os entendimentos a seguir, nós Pentecostais precisamos esmiuçar a Escritura Sagrada afim de retificar (corrigir) a nossa doutrina ou ratificar (reafirmar). Antes de ficarmos nervosos com questões que ponham a prova a nossa crença precisamos estar abertos para ouvir, dialogar, investigar na palavra de Deus para então concluirmos.

“Aqui, segundo as duas passagens em Marcos e Atos, *o sentido parece ser falar em outras línguas vivas. Porém, as passagens da primeira carta aos Coríntios são tomadas como a base, estas expressões parecem fazer referências à fala **em outro tipo de língua, i.e., referindo-se, talvez, a um estado de grande empolgação ou êxtase espiritual de inspiração, inconsciente das coisas ao redor, e totalmente absorto nesta comunicação em forma de adoração a Deus, no qual a pessoa irrompe em expressões abruptas de louvor e devoção que não são coerentes e, portanto, nem sempre são inteligíveis aos outros (1 Co.14.02,04,06,07).

*A maior parte dos intérpretes adota o primeiro significado; **alguns preferem o segundo. Outros supõem existir uma referência a dois dons distintos.” Fonte:  Bíblia de Estudo Palavras Chave – Hebraico –Grego, Ed. CPAD (p.2128)

Absorto segundo Dicionário Aurélio significa; 1. Absorvido, 2. Concentrado em seus pensamentos; alheado, abstraído, abstrato, absorvido. 3. Extasiado, enlevado, embevecido. Abrupto / ab-rupto segundo o Dicionário Aurélio significa: 3. Súbito, inopinado, repentino.

Segundo John Stott, o comentarista, “Stanley M. Horton, da Assembléia de Deus, por exemplo, escreve que “as línguas aqui (em Atos 2) e as línguas em 1 Coríntios capítulos 12 e 14 são as mesmas.” Segundo a declaração oficial das assembleias de Deus (parágrafo 8), ambas “possuem a mesma essência”, mas “são diferentes em propósito e uso.”

Entretanto John Stott escreve em seu comentário “Em suma, rejeitando a abordagem liberal, que declara que a glossolalia de 1 Coríntios eram sons ininteligíveis e incorpora a ela o fenômeno de Atos, é melhor adotarmos a proposição oposta, isto é: que o fenômeno de Atos eram línguas inteligíveis e que a experiência de 1 Coríntios deve ser incorporada a ele. O argumento principal em favor disso é que, apesar de a glossolalia ser mencionada sem explicação em vários trechos do Novo Testamento, Atos 2 é a única passagem em que ela é descrita e explicada; assim, parece ser mais razoável interpretar o inexplicado à luz do explicado, e não vice-versa.”

Fonte: A Mensagem de Atos – John Stott – Ed. ABU, (p. 70,71).

Para alguns autores ocorre o falar em línguas ininteligíveis por parte dos discípulos tornando-se inteligíveis aos ouvidos das pessoas de outras nações que encontravam-se ali.

“O duplo milagre. Essas línguas não eram da Terra. A palavra “línguas”, nos versículos 3 e 4, é glossa (grego), mas o vocábulo “língua”, nos versículos 6 e 8 de Atos 2, é dialektos (grego). O que significa ?  Que o milagre foi duplo: Os discípulos falaram línguas desconhecidas (glossa), e cada representante das 17 nações presentes ouviram em sua própria língua (dialektos).”  Fonte: Atos dos Apóstolos – ESTPV, Publicações Pentecostes , p. 9.

Segundo o Comentário Bíblico Pentecostal – Novo Testamento , Ed. CPAD,  o entendimento sobre as línguas em Atos é:

A principio há um som sobrenatural vindo do céu, como um vento violento. A medida em que enche a casa são vistas línguas como fogo pousando sobre os presentes, sinais milagrosos introduzem o Dia de Pentecostes.

“O vento e o fogo enfatizam a grandeza da ocasião e são evidências audíveis e visíveis da presença do Espírito  –  o som do vento poderoso significa que o Espírito Santo está com os discípulos, e as chamas de fogo em forma de língua que posam em cada um deles são manifestações da glória de Deus; acrescentando esplendor a ocasião.”

“O sinal constante e recorrente da plenitude do Espírito Santo em Atos é falar em outras línguas (At. 10.46; 19.06). No Dia de Pentecostes, Pedro declara que Cristo derramou o que as pessoas vêem e ouvem (At. 2.33). Falar em línguas (ou glossolalia) – um sinal externo, visível e audível – marca a dotação dos discípulos com o poder sobrenatural, isto é, o fato de eles serem cheios com o Espírito.”

“O batismo com o Espírito não salva ou faz da pessoa um membro da família de Deus; antes, é uma unção subsequente, um enchimento que equipa com poder para servir.” Fonte: Comentário Bíblico Pentecostal – Novo Testamento – Ed. CPAD, p.632

“Falar em línguas é o sinal inicial do batismo com o Espírito. Serve como manifestação externa do Espírito e acompanha o batismo ou imersão no Espírito.” Fonte: Comentário Bíblico Pentecostal – Novo Testamento – Ed. CPAD, p.633

De acordo com o Comentário Bíblico Pentecostal – Novo Testamento – Ed. CPAD, p. 633.  Referente a Atos 2.11;  “As línguas proporcionam aos discípulos os meios pelos quais eles louvam e adoram a Deus. Estes discípulos falam em línguas que nunca aprenderam, mas ao celebrarem os trabalhos poderosos de Deus elas são completamente inteligíveis aos circunstantes (v.11). Todos os que testemunham o que está acontecendo reconhecem que os discípulos estão louvando a Deus. Em vários idiomas, eles magnificam e agradecem a Deus pelas grandiosas coisas que Ele fez.”

O fato é que sejam as línguas ou os dons, tudo veio do Espírito Santo que nos dá as “ferramentas” necessárias para nossa capacitação. A Igreja de Cristo recebeu o privilégio de não ter o Espírito Santo sob medida, ou seja, em momentos específicos para realizar algo para Deus. Desde a descida do Espírito Santo pela fé em Jesus Cristo passamos a ser morada Dele ( 1 Co. 3.16).

A intenção em investigarmos as línguas mais a fundo nesse pastoreio não tem como objetivo polemizar, fechar a questão, mas de aguçar um desejo de aprofundamento bíblico em cada um de nós levando em conta que a capacitação dada pelo Espírito Santo deve ser compreendida para ser eficazmente aplicada.

Em nossa denominação há uma orientação regimental que para ordenarmos Diáconos ou ministérios acima, as pessoas devem ser batizadas com o Espírito Santo, que dentro da nossa convicção ocorre quando a pessoa fala em línguas. Ocorre que nem todos falam em línguas, mas possuem outros dons, além do caráter idôneo e da dedicação na obra do Senhor, sendo assim precisamos retificar ou ratificar essa orientação que dependerá do entendimento que fecharmos acerca desse ensinamento.

Para digerirmos melhor a questão sobre o sinal do batismo com o Espírito Santo, iremos promover Fóruns nas Regionais no mês de Maio para discussão exaustiva entre os pastores e oficiais junto ao Superintende Regional de cada área para que seja remetida a Diretoria Nacional que fará um Fórum único considerando os Fóruns realizados nas regionais.

Para tal fórum sugerimos que os participantes levem as suas argumentações por escrito com o seu nome, mencionando as fontes de onde foram retiradas, sejam das bíblias, comentários bíblicos, dicionários, revistas, estudos e etc.

 

 

2016 O Ano da Igreja
sendo uma igreja bíblica e relevante

 

Serviçal da Igreja
Ronildo Queiroz

1 Comentário. Deixe novo

Muito bom…

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu