Pastoreio #44

1 e 2 Timóteo – Instruindo o Discípulo

Nesse pastoreio abordaremos as cartas enviadas a Timóteo, filho na fé do apóstolo Paulo. “Timóteo é um dos mais conhecidos entre as personagens secundárias do Novo Testamento. Filho de um pai pagão e de uma mãe judia convertida, juntou-se pela primeira vez à comitiva de Paulo em Listra, na Licaônia, no início da segunda viagem missionária deste.”
Fonte: 1 e 2 Timóteo e Tito: introdução e comentário, J.N.D. Kelly, Ed. Vida Nova, p.09.

O nosso objetivo é abordar como Paulo trata, preocupa-se e orienta seu filho ou discípulo na fé. O interesse do apóstolo se dá em que o jovem Timóteo estivesse devidamente preparado para apascentar e instruir a Igreja de Deus com, o devido equilíbrio emocional e preparo bíblico.

O nome Timóteo no grego é “Timótheos”, que significa, “honrado por Deus”, segundo historiadores na época em que foi alcançado pela pregação de Paulo tinha aproximadamente treze anos de idade. Outros historiadores, entretanto, afirmam que quando Paulo conhece o jovem Timóteo ele já era crente, ensinado pela sua família acerca do Senhor Jesus, seja como for, o que importa é que Timóteo conheceu os ensinos de Jesus e estava sendo útil em sua obra.

O jovem Timóteo era tido em alta estima, como um genuíno cristão (At. 16.02), também possuía exímia habilidade como pregador (1 Tm. 4.14-16).

Em 2 Tm. 1.05 encontra-se registro sobre parte da família de Timóteo, sua avó Lóide e sua mãe Eunice eram mulheres fiéis que, instruíram o jovem sobre a palavra de Deus.
Fonte: Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia, vol. 6, R.N. Champlin, J.M. Bentes, Ed. Candeia, p. 552, 553.

Objetivo da 1ª carta: Paulo estava escrevendo a Timóteo, para instruí-lo sobre como lidar com o problema crescente dos falsos doutores, que era evidente na igreja de Éfeso. O fato de estes falsos doutores terem se infiltrado na igreja de Éfeso era um triste cumprimento da predição de Paulo, feita quase cindo anos antes (At. 20.28-30). Paulo insistiu que Timóteo se opusesse corajosamente a estes homens maus, sustentando a verdade das Escrituras.

Objetivo da 2ª carta: O estilo desta epístola é menos didático do que o da primeira. Paulo fala com Timóteo como um pai que logo deixará seu filho. As referências à herança espiritual do próprio Timóteo e ao seu chamado para o ministério (1Tm.1.3,5,6) revelam como Paulo refletia sobre sua própria influência sobre a vida deste discípulo.
Fonte: Bíblia de Estudo Palavras Chave – Hebraico –Grego, Ed. CPAD, p. 1260, 1267.

Prática pastoral >>> A história do jovem Timóteo é animadora e ao mesmo tempo apaixonante para aqueles que querem servir a Deus. Como apascentadores precisamos ter em mente que ao longo dos anos vindouros a Igreja existirá até que Jesus Cristo venha arrebata-la, sendo assim, é nossa responsabilidade formar os novos apascentadores do rebanho de Cristo.

Penso que é importante formarmos discípulos de Jesus, DE JESUS, pois as vezes queremos formar discípulos segundo nossas vaidades, nossos entendimentos que às vezes são limitados. O discipulado não pode ser a reprodução das nossas caricaturas, dos nossos usos e costumes, culturas ou entendimento inadequado da palavra de Deus.

Precisamos discipular sem aprisionar, sem nos vangloriar, sem achar que o discípulo nos deverá algo, que não o amor e gratidão, mas não a reprodução dos nosso gostos e entendimentos.

O Discípulo – 1 Timóteo 1.1-2

1 Timóteo 1.1-2
01 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, por ordem de Deus, nosso Salvador, e de Cristo Jesus, a nossa esperança, 02 a Timóteo, meu verdadeiro filho na fé: Graça, misericórdia e paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus, o nosso Senhor.
(Bíblia utilizada Nova Versão Internacional – NVI)

O apóstolo descreve em sua carta o que Timóteo representava para ele, “meu verdadeiro filho na fé”, considerando essa escrita podemos entender que Timóteo o “honrado por Deus”, agora demonstrava através da sua vida cotidiana que Jesus era a razão central da sua vida, seus objetivos eram os objetivos de Cristo e a missão do reino de Deus era tarefa diária dele.

Paulo diz você é de fato uma pessoa gerada pela fé em Jesus, suas ações demostram isso, assim o apóstolo pôde referir-se a ele como “verdadeiro filho na fé”. Provavelmente Timóteo não retrocedia, não deixava de ir, falar e atuar, Paulo confiava nele, a ponto de referendá-lo em suas cartas para que os irmãos os recebesse e os ouvissem.

O fato de Timóteo ser filho de mãe judia e pai grego (At.16.01) gerava algumas inquietações entre os judeus que de acordo com a lei judaica fazia de Timóteo um filho ilegítimo, Paulo preocupando-se com a não aceitação dos judeus, circuncida Timóteo (At. 16.03), pois os judeus consideravam puros ou legítimos os filhos judeus entre judeus, mesmo os prosélitos, ou seja, gentios convertidos ao judaísmo, sofriam algum tipo de discriminação.

Alguns intérpretes ressaltam que o apóstolo Paulo vai ensinar através da carta a igreja de Coríntios que essa consideração dos judeus não perduram no ensino de Jesus. Na carta o marido descrente é santificado pelo cônjuge crente, infiéis são santificados pela fé em Jesus dos cônjuges fiéis.
Fonte: O Novo Testamento Interpretado: versículos por versículos. R.N.Champlin, Ed. Hagnos, p. 277.

 

1 Coríntios 7.14
14 Pois o marido descrente é santificado por meio da mulher, e a mulher descrente é santificada por meio do marido. Se assim não fosse, seus filhos seriam impuros, mas agora são santos.
(Bíblia utilizada Nova Versão Internacional – NVI)

Quando o apóstolo fala de “verdadeiro filho na fé”, ele enfatiza legitima Timóteo como filho, não por tê-lo circuncidado, mas por ele ter abraçado a fé em Jesus, por ter nascido espiritualmente em Cristo.

Prática pastoral >>> A legitimidade dos discípulos de Jesus se dá pela fé e prática da mesma, o discípulo do Senhor não é legitimado por ter como mentor esse ou aquele irmão ou irmã, ou ainda, por fazer parte dessa ou daquela denominação.

Quando tiramos a essência do discipulado que é imitar a Cristo, sobrará apenas as caricaturas humanas e decaídas, precisamos adotar filhos espirituais com um único objetivo ajudá-los a imitarem a Cristo (1 Co. 11.01).

Nós como apascentadores temos tido a preocupação, o entendimento coerente e a determinação para discipular?

Somos professores, ajudadores, intercessores, fornecemos exemplo de vida cristã a partir da nossa vida?

Convido você a adotar um filho (a) espiritual, a dedicar-se em ensinar e fazer tudo quanto estiver ao seu alcance para que esse discípulo possa imitar a Cristo. O discípulo de hoje poderá ser o nosso pastor ou pastora amanhã, pensemos nisso!

A importância da instrução – 1 Timóteo 1.3-11 e 6.11-21

1 Timóteo 1.5-7
05 O objetivo desta instrução é o amor que procede de um coração puro, de uma boa consciência e de uma fé sincera. 06 Alguns se desviaram dessas coisas, voltando-se para discussões inúteis, 07 querendo ser mestres da lei, quando não compreendem nem o que dizem nem as coisas acerca das quais fazem afirmações tão categóricas.
(Bíblia utilizada Nova Versão Internacional – NVI)

A boa formação do discípulo hoje, será de grande utilidade no dia de amanhã, pessoas bem instruídas, bem formadas poderão trazer maior cuidado e proteção para o rebanho de Deus no futuro. Se não formarmos discípulos genuinamente de Cristo, provavelmente no futuro teremos dificuldades com a liderança que guiará o rebanho do Senhor. O combate as heresias e manutenção da sã doutrina dependerão do nível de formação fornecido aos discípulos hoje.

1 Timóteo 6.11-12
11 Você, porém, homem de Deus, fuja de tudo isso e busque a justiça, a piedade, a fé, o amor, a perseverança e a mansidão. 12 Combata o bom combate da fé. Tome posse da vida eterna, para a qual você foi chamado e fez a boa confissão na presença de muitas testemunhas.
(Bíblia utilizada Nova Versão Internacional – NVI)

Não conseguiremos formar discípulos de Cristo sem instruí-los segundo a palavra de Deus, a instrução de Timóteo ocorre desde o seu lar, com a sua avó e mãe. O apóstolo instrui o discípulo com o objetivo de orientá-lo para que não se deixasse levar pelos ensinos judaizantes de alguns que tentavam confundir igreja, fazendo-a deixar a graça de Deus.

1 Timóteo 1.18-20
18 Timóteo, meu filho, dou-lhe esta instrução, segundo as profecias já proferidas a seu respeito, para que, seguindo-as, você combata o bom combate, 19 mantendo a fé e a boa consciência que alguns rejeitaram e, por isso, naufragaram na fé. 20 Entre eles estão Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar.
(Bíblia utilizada Nova Versão Internacional – NVI)

Ter e manter a fé e um comportamento inspirado em Cristo é sem dúvida um grande desafio, nossas dúvidas e vontades sempre estão pondo a prova nossa vida cristã, entretanto nós precisamos como apascentadores, como geradores de discípulos, cuidar da nossa própria vida e fé para que no mínimo possamos ser uma “faísca” de motivação para eles.

Paulo preocupava-se em orientar Timóteo devidamente para que ele pudesse lidar com as situações que poderiam ocorrer na igreja (1 Tm. 5).

Prática pastoral >>> Certamente já ouvimos algumas pessoas falarem que discipulam, que tem discípulos, mas a pergunta aqui é, como vive esse discipulador? Como e qual exemplo fornecemos para esses discípulos?

Discipular não é ler uma revista com temas bíblicos em uma sala, não é dizer aos outros o que fazer isentando-se de ser exemplo para estes. Para discipularmos, nós precisamos avaliar a nossa própria vida, será que temos vivido o que estamos dizendo para os outros viverem?

Discipular não pode ser um relacionamento do tipo “faça o que eu mando e não faça o que eu faço”, talvez seja justamente a falta de moral e ética em nós como apascentadores que tem gerado discípulos que não podem ser chamados de “verdadeiros filhos na fé”, como o apóstolo Paulo se referia acerca de Timóteo.

Talvez o ato de discipular alguém não tenha ocorrido com o êxito esperado, por nós como moldes estarmos deformados.

Cuidando como filho – 2 Timóteo 1.1-8,13-14

2 Timóteo 1.3-5
03 Dou graças a Deus, a quem sirvo com a consciência limpa, como o serviram os meus antepassados, ao lembrar-me constantemente de você noite e dia em minhas orações. 04 Lembro-me das suas lágrimas e desejo muito vê-lo, para que a minha alegria seja completa.05 Recordo-me da sua fé não fingida, que primeiro habitou em sua avó Lóide e em sua mãe Eunice, e estou convencido de que também habita em você.
(Bíblia utilizada Nova Versão Internacional – NVI)

Assim como um pai cuida do seu filho, Paulo cerca Timóteo de conselhos, exortações e cuidados para que ele seja bem sucedido em seu trabalho episcopal. Como “pai” o apóstolo elogia a fé não fingida do seu “filho”, o discípulo gera alegria e orgulho no coração do discipulador.

2 Timóteo 1.6-7
06 Por essa razão, torno a lembrar-lhe que mantenha viva a chama do dom de Deus que está em você mediante a imposição das minhas mãos. 07 Pois Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio.
(Bíblia utilizada Nova Versão Internacional – NVI)

Provavelmente para refutar todo e qualquer comportamento ou sentimento de amedrontamento (v7), o apóstolo fala de uma capacitação, poder e amor Divino que já estava em seu discípulo.

Nenhum pai via de regra, cria seus filhos para serem medrosos, acuados, desanimados e sem equilíbrio emocional, antes e geralmente os pais querem que seus filhos “voem”, vão além do que receberam, o apóstolo lembra seu discípulo que ele já possui uma capacitação vinda de Deus e não deveria temer, mas seguir cumprindo cabalmente o ministério para o qual foi chamado.

Pensar em discipular na perspectiva de filhos e filhas, parece ser muito interessante considerando que, quando se trata de nosso filho ou filha, somos mais brandos, mais amorosos, mais misericordiosos, mais dispostos a investir e ter paciência com eles, talvez ver e lidar com um discípulo, sem relação parental, como sendo filhos (as), poderemos ter mais êxito na formação dos discípulos de Jesus Cristo.

2 Timóteo 1.13-14
13 Retenha, com fé e amor em Cristo Jesus, o modelo da sã doutrina que você ouviu de mim.
14 Quanto ao bom depósito, guarde-o por meio do Espírito Santo que habita em nós. 

(Bíblia utilizada Nova Versão Internacional – NVI)

Parece que Paulo prevê os embates que seu “filho na fé” enfrentaria, seria necessária fé, amor e boa preparação para lidar com as igrejas já existentes.

Timóteo é o bispo ideal em suas relações para com a sua própria igreja, em uma província como Éfeso, onde já haviam igrejas locais organizadas em todas as cidades provinciais.
Fonte: O Novo Testamento Interpretado: versículos por versículos. R.N.Champlin, Ed. Hagnos, p. 267.

Prática pastoral >>> Não sejamos rápidos demais em desistir, em rejeitar aqueles que o Senhor nos entregou como “filhos” na fé, nossa tarefa não é fácil, mas não é meramente humana, temos de Deus um serviço na atmosfera humana, entretanto com propósitos Divinos. Vamos insistir mais, ajudar mais, dar mais exemplo de vida a partir de nós e crer que o Senhor nos dará uma boa colheita, uma geração de verdadeiros filhos na fé, imitadores de Jesus Cristo.

Até o próximo pastoreio aonde abordaremos a carta A TITO COM O TEMA “PRÁTICA PASTORAL”.

 

 

2017 Vivendo a Prática Pastoral
sendo uma igreja bíblica e relevante

Serviçal da Igreja
Ronildo Queiroz

Pastoreio #43
Pastoreio #45
Menu