Novembro Azul – Uma questão a ser decidida no fio do bigode

Você conhece a origem do ‘novembro azul’?

Para entendermos a origem deste movimento precisamos voltar ao ano de 2003, na Austrália, quando durante uma conversa entre os amigos Travis Garone e Luke Slattery, foi feita uma brincadeira sobre o fato de os homens não usarem mais bigode. Tal constatação levou a ideia de promover a volta do uso do bigode.

Inspirados na campanha do câncer de mama, organizada pela mãe de um amigo, Garone e Slattery resolveram fazer o mesmo, só que com o câncer de próstata. Para isto criaram uma regra: os participantes deveriam deixar o bigode crescer por 30 dias. Cada homem com bigode doaria 10 dólares para a campanha. Naquele ano 30 homens se envolveram.

O bigode tornou-se motivo para conversas: – Por que você está usando bigode? A história espalhou-se e no ano seguinte eles fundaram o movimento Movember que é a junção de duas expressões do inglês: moustache (“bigode”em inglês) e November (“Novembro” em inglês).

Hoje o Movember está oficialmente presente em vários países, entre eles Austrália, Canadá, Dinamarca, França, Hong Kong, Alemanha, Holanda, Nova Zelândia, África do Sul, Espanha, Reino Unido, Estados Unidos entre outros. De acordo com dados oficiais do movimento já foram arrecadados 6 milhões de dólares para programas de saúde masculina, saúde mental, prevenção de suicídio, câncer de próstata e de testículo.

Em 2012, inspirados pelo Movember, o instituto Lado a Lado pela vida, passou a promover durante o mês de novembro ações com foco na saúde masculina. Nascia assim o Novembro Azul, sendo novembro o mês de origem da campanha e a cor azul e o bigode representação da figura masculina.

O objetivo do novembro azul é fornecer informações sobre saúde masculina, em especial o câncer de próstata, encorajando os homens a romper com o paradigma da não procura do médico.

Dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer) revelam que o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens no Brasil, sendo o tumor de próstata a segunda principal causa de morte por câncer. Quando detectado de forma precoce, o tratamento é menos invasivo e apresenta chances reais de cura.

Neste sentido é fundamental a conscientização da população masculina a respeito do câncer de próstata e os cuidados com a saúde de forma geral, além da desmistificação sobre o exame de toque retal, que é muito simples e dura apenas 10 segundos.

Em função do quadro mencionado anteriormente, faz-se necessário perguntar: por que os homens se negam a realizar exames de rotina? Existe algum fator psicológico?

Do ponto de vista psicológico a crença sobre o que determina a masculinidade tem sido o grande fator para os homens não realizarem os exames médicos de rotina. Muitos acreditam que ao ser tocado em uma região tão íntima (ânus) deixará de ser hétero ou perderá sua virilidade.

Há uma expressão bíblica utilizada por Paulo, quando escreve aos Coríntios: o corpo é templo do Espírito Santo (I Co 6,19,20). Não somente uma ou algumas partes, mas a integralidade do corpo. Isso significa que o ser humano precisa empregar todos os esforços para mantê-lo saudável, física, psicologicamente e espiritualmente.

Por isso se você, homem, ainda enfrenta alguma dificuldade no trato com o seu corpo, procure ajuda. Busque um suporte psicológico. Isto poderá ser de grande valia na construção de uma visão mais integral e saudável do corpo.

 

#somosumasoicpbb

Cesar Roberto Pinheiro
Dr. em Psicologia da Saúde
Terapeuta Cognitivo Comportamental
CRP 06 74510

Volte para a página do CDFP

Menu